Tidal Rising Brasil: Jenni Mosello

Tidal Rising Brasil: Jenni Mosello

A curitibana Jenni Mosello já vem se destacando na cena pop com alguns singles e agora finalmente nasce seu primeiro álbum. A cantora e compositora de 24 anos se revela em “JENNI”, 7 faixas produzidas por Lucas Vaz, Jan e Jack no Nico’s Studio do autêntico pop brasileiro. “Esse album é minha nova data de nascimento, pela primeira vez eu me deixo existir pelas minhas próprias palavras, me aproprio da minha vida e canto pro mundo todo quem sou, por onde estive e pra onde eu vou!”, diz Jenni.
Para você conhecer um pouco mais sobre a artista TIDAL Rising do momento, batemos um papo com ela sobre passado, futuro e presente.
***
Quem foram suas primeiras influências?
Eu nasci e fui criada em meio ao jazz! Ainda lembro de quando era pequena e ia para escola ouvindo Ella Fitzgerald e Billie Holiday, por isso acho que até hoje tenho uma grande atração por vozes femininas fortes, gosto da alma e emoções que as vozes do jazz tinham, por isso amo brincar e levar a voz sempre até o limite! Fui criada ouvindo isso!

 

O aspecto visual parece ser muito importante no seu trabalho. De onde vem
essa faceta? É algo natural pra você?
Eu sempre fui bastante extrovertida e extravagante quando se fala de visual, nunca fui muito ”comum” nesse assunto, gosto muito de moda e se pudesse usaria looks de passarela para ir ao mercado! Aos poucos e com ajuda de pessoas maravilhosas fui conseguindo montar de forma coesa uma imagem por fora do que eu sou por dentro, e agora que sei fazer isso ninguém nunca mais me segura rs

 

Com quem você gostaria de trabalhar?
Segura que a lista é imensa! É claro que todos gostariamos de trabalhar com Deus, quer dizer, Beyoncé! Rs
Mas além dela eu admiro tanta gente, Mark Ronson, Quincy Jones, Dr Dre, Pharrel, Dua Lipa, Rihanna, Lauryn Hill, Anitta, Pabllo Vittar, Gloria Groove, Anne Marie, a lista é gigante! Mas acho que a constante em todas essas pessoas é a verdade e seriedade com que tratam a arte, e isso pra mim é tudo!

 

Sabemos que você compõe letras e músicas. Você toca algum instrumento?
Como é seu processo de composição?
Eu amo escrever, escrevo desde que era bem novinha, e sempre tive a tendência a ser bastante poética – quando assumi a música na minha vida as poesias viraram melodias! Geralmente alguma coisa no meu dia me toca de uma maneira diferente, e na hora meu corpo responde com música! Isso pode ser desde um olhar diferente até um beat do meu amor (produtor e bofe Lucas Vaz que sempre faz tudo comigo). Sobre tocar, sempre quis ser uma virtuosa mas a verdade é que mal arranho no violão rs
O que gosto mesmo é de brincar de produzir no garage band, sempre acabo compondo alguma coisa por ali!

 

Como é o seu relacionamento com os seus fãs?
ELES SÃO TUDO PRA MIM!! Minha família, meus amigos, meus xuxus! Eu tento estar sempre o mais próxima possível, converso com eles pelo instagram, fazemos live dividindo a tela pra que eu possa ver os rostos por trás dos arrobas e sempre que posso agarro todos eles pós-show!! Eu amo de verdade, choro toda vez que lembro que tenho fãs ♥️ Serei eternamente grata por poder dividir minha história e minhas músicas com tanta gente especial!

 

Como você acha que a sua experiência no X Factor te preparou para sua carreira?
O X Factor agregou em tudo na minha vida, me trouxe os fãs, me deu mais confiança, abriu minha cabeça pra muita coisa e foi um dos ponta pés pra eu me PERMITIR fazer pop!! Como eu vim de uma looonga história de jazz e blues o pop sempre foi “mal visto” por ser às vezes fácil demais, MAS AÍ o X Factor foi o lugar que eu pude provar que eu posso cantar pop E TER MUITA VOZ SIM! Aguilera, Beyoncé, GaGa, todas com vozeirão fazendo pop, então decidi que essa era minha gang! E acho que virou uma tendência do mercado! Hoje temos Iza por exemplo que também está seguindo esse caminho!

 

Curitiba já revelou muita banda legal, de vários gêneros. Como você vê a cena curitibana hoje?
TEM MUUUITA GENTE BOA!  Chameleo, Olivia, A banda mais bonita da cidade, Tuyo, Marrakesh, Johaine Droppa, Marcella, Trombone de Frutas, Machete bomb entre muuuitos outros artistas maravilhosos! Dentro do disco inclusive escolhi dois feats que eu acredito muito da cena Curitibana!
O grande problema de Curitiba são os egos, não acho que seja exclusividade da cidade, mas fico muito triste em ver a própria cena se engolir por egoísmo. Eu e alguns outros artistas sempre lutamos pra dar fim nisso, a cena precisa se unir mais, dar força um pro outro, mas infelizmente isso não é uma constante por lá.

 

Como foi o processo de criação do seu álbum?
Orgânico, intenso e verdadeiro. Passei por muita coisa durante a composição do disco, e acho que é por isso que ele saiu tão imperativo, eram todas palavras de necessidade! Coisas que estavam engasgadas há algum tempo e que só através da música consegui resolver! O disco fala muito de mim, da minha história, de onde eu vim e pra onde eu quero ir! E essa era a intenção mesmo, um debute puro e sincero.

 

Você tem algum artista que descobriu recentemente que gostou muito?
SIM SOCORRO! Estou completamente viciada em Doja Cat, Sevdaliza e Bishop Briggs, todas mulheres de arrepiar, e nacionalmente, o senhor Luccas Carlos foi minha última surpresa E JÁ VIROU MEU PRÓXIMO FEAT! O rapaz é bom demais gente!

 

Quais são os próximos passos?
DOMINAÇÃO MUNDIAL! Brincadeira, só que não. Sou muito ambiciosa, realmente estou trabalhando muito para alcançar o meu pódio, quero meus grammys, quero meu show no Madison square garden, e pode ter certeza, que de passo em passo um dia eu chego lá!!
[fbcomments num="5" width="100%" count="off" countmsg="kommentarer" url="http://read.tidal.com/article/tidal-rising-brasil-jenni-mosello"]